Como funcionam os tratamentos da psicologia da dor



Cinco objetivos fundamentais do tratamento de um psicólogo no desenvolvimento da dor crônica.

Apenas uma pequena porcentagem das pessoas que vivem com dor crônica buscam ajuda de um psicólogo da dor. Por um lado, isso é desanimador porque os tratamentos da psicologia da dor têm décadas de embasamento científico que garantem sua eficácia. Apesar desses benefícios comprovados, no entanto, uma parcela de pessoas consideravelmente pequena participam de terapias de psicologia da dor entre os milhões que lutam contra as condições de dor crônica.

Por outro lado, faz sentido porque poucas pessoas pensam em um psicólogo quando consideram as opções de tratamento para sua dor crônica: a maioria das pessoas acredita que a dor crônica é uma condição médica, afinal, e as condições médicas exigem tratamento médico. Da mesma forma que parece ilógico que uma pessoa que sofre de ataques de pânico procure um cirurgião ou um dentista, parece igualmente ilógico para a maioria das pessoas com dor crônica procurar um psicólogo.

A realidade é que nenhuma quantidade de embasamento científico convencerá a maioria das pessoas a tentar terapias psicológicas da dor, até que uma explicação melhor seja fornecida a elas para saber como essas terapias podem ajudar. Nesta matéria, através da revisão de diversos artigos científicos, listo as cinco principais formas pelas quais os psicólogos da dor ajudam pessoas com dor crônica.

1. Psicólogos da dor ajudam as pessoas a substituir os comportamentos de enfrentamento da dor aguda com os comportamentos de enfrentamento da dor crônica.

A maneira mais básica que os psicólogos da dor ajudam é mostrando às pessoas como substituir os comportamentos de enfrentamento da dor aguda com os comportamentos de enfrentamento da dor crônica. Toda dor começa como dor aguda; a dor só se torna crônica quando persiste além do tempo esperado para que ocorra a cura. Reagimos instintivamente à dor aguda evitando atividades dolorosas, descansando a área dolorosa, buscando atendimento médico e esperando que os sintomas de dor diminuam. Estes comportamentos são adequados e eficazes… para a dor aguda. Quando a mesma dor se torna crônica, no entanto, precisamos de um novo conjunto de comportamentos de enfrentamento. Comportamentos de dor aguda, como repouso contínuo, evitação de atividade e procura de assistência médica, não ajudam mais e muitas vezes pioram a incapacidade associada à dor crônica. Quando você percebe que lidar a dor crônica envolve não apenas aprender novas habilidades de enfrentamento da dor crônica, mas também ter que desaprender anos de habilidades de enfrentamento da dor aguda, então faz mais sentido porque uma pessoa pode se beneficiar de ver um psicólogo da dor.

2. Psicólogos da dor ajudam o paciente a desenvolver um papel ativo no controle da dor.

Uma segunda maneira de os psicólogos da dor auxiliarem no tratamento da dor crônica é ajudar as pessoas a adotar um papel proativo e de liderança em seu tratamento. Durante episódios de dor aguda, o nosso papel como paciente é tipicamente seguir as instruções do nosso médico. O médico é o especialista e o líder claro na relação de tratamento. Este modelo se desfaz, no entanto, com dor crônica. No caso de dor crônica, não é mais eficaz para uma pessoa simplesmente seguir o conselho do médico e esperar para melhorar. O paciente com dor crônica deve, em vez disso, assumir um papel mais ativo em seu tratamento, um papel que pode igualar ou mesmo exceder a importância de seus médicos. Para o sucesso do tratamento da dor crônica, a pessoa deve assumir a responsabilidade de fazer mudanças no estilo de vida, fornecer respostas e tomar decisões com seu médico, além de ter conhecimento suficiente sobre sua saúde para lidar com seus sintomas de forma eficaz. Um psicólogo da dor pode ajudar as pessoas em cada um desses últimos papéis.

3. Psicólogos ajudam as pessoas a desconstruírem seus pensamentos sobre a dor.

A terceira maneira pela qual os psicólogos da dor ajudam no tratamento da dor crônica é reduzindo o que é conhecido como pensamento catastrófico. "Catastrofização da dor" refere-se a uma tendência a interpretar os sintomas da dor como o pior cenário possível. Por exemplo, a catastrofização da dor pode se referir à tendência de uma pessoa interpretar sintomas de dor nas costas como um sinal de que suas costas estão quebradas ou que um tumor com risco de vida está causando suas dores de cabeça. A catastrofização da dor ativa a nossa resposta de luta ou fuga, produz medo e ansiedade e, muitas vezes, leva à busca excessiva de tratamento ou ao excesso de confiança nos medicamentos para a dor. Se não for abordada, a catastrofização da dor pode tornar os efeitos da dor crônica muito piores do que seria, de outra forma, o caso baseado apenas no estado médico de uma pessoa.

4. Psicólogos ajudam as pessoas a dedicarem mais tempo com metas e valores e menos tempo com dor.

Psicólogos também ajudam as pessoas a se tornarem menos focadas na dor e mais valorizadas e focadas em metas e valores saudáveis. A dor crônica muitas vezes toma conta do estilo de vida de uma pessoa, fazendo com que seus dias se concentrem em torno da dor. Remédios e visitas médicas se tornam rituais. Com o tempo, uma pessoa pode ficar presa em uma vida que perdeu a maioria das fontes de prazer e significado. Um objetivo central dos tratamentos de psicologia da dor é ajudar o paciente a retomar a vida de uma maneira consistente com seus objetivos e valores, em vez de esperar que a dor seja resolvida. Como a dor crônica dificulta a atividade, aprender a retomar um estilo de vida mais voltado para o valor e para a função geralmente é um processo que requer tempo, prática e uma certa dose de tentativa e erro.

5. A psicologia da dor ajuda a diminuir o estresse e os sintomas de saúde mental que pioram a dor.

O quinto objetivo de um psicólogo da dor é melhorar a saúde mental e os sintomas de estresse comuns às pessoas que sofrem de dor crônica. Como esta parte do tratamento é aplicada varia de acordo com as necessidades individuais. Uma pessoa, por exemplo, pode se beneficiar da atenção e do tratamento da depressão relacionada à dor ou aos sintomas de ansiedade, enquanto outra pessoa pode se beneficiar mais da ajuda para lidar com os relacionamentos conjugais ou familiares que frequentemente experimentam tremenda tensão quando alguém está lutando com a dor crônica.

Confira também nossas matérias sobre como a depressão não tratada altera o cérebro ao olongo do tempo e as alterações cerebrais e psicológicas provocadas pela ansiedade.

Obter ajuda:


Publicado por:
Portal de Psicologia Jovem com Ciência
Psicólogo Ailton Melo  
Portal: jovemcomciencia.com
Redes sociais e currículo:

Referências:

DARNALL, B. D. Psychological treatment for patients with chronic pain. American Psychological Association, 2019.

FINLAY, K. A.; PEACOCK, S.; ELANDER, J. Developing successful social support: An interpretative phenomenological analysis of mechanisms and processes in a chronic pain support group. Psychology & health, v. 33, n. 7, p. 846-871, 2018.

KAROLY, P. Chronic pain and psychopathology: Exploring the motivational context and its clinical implications. In: Motivational perspectives on chronic pain: Theory, research, and practice. Oxford University Press, 2018. p. 355-406.

NICHOLAS, M. et al. The IASP classification of chronic pain for ICD-11: chronic primary pain. Pain, v. 160, n. 1, p. 28-37, 2019.

O'CONNELL, N. E. et al. Non‐invasive brain stimulation techniques for chronic pain. Cochrane database of systematic reviews, n. 3, 2018.

WILSON, S.; CRAMP, F. Combining a psychological intervention with physiotherapy: A systematic review to determine the effect on physical function and quality of life for adults with chronic pain. Physical Therapy Reviews, v. 23, n. 3, p. 214-226, 2018.
Como funcionam os tratamentos da psicologia da dor Como funcionam os tratamentos da psicologia da dor Reviewed by Ailton Melo on maio 28, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.