As características do comportamento que predizem o vício em drogas na adolescência


Adolescentes que não têm paciência têm maior probabilidade de experimentar e usar drogas. Esses são os resultados de um estudo publicados na revista científica Pharmacology Biochemistry Behavior, onde demonstra que os indivíduos impulsivos em busca do prazer, geralmente escolhem a recompensa menor e mais rápida com mais frequência do que a recompensa maior e atrasada. Isto é devido à sua distância no tempo em relação a um imediatismo do prazer rápido e momentâneo produzido pelo uso de drogas. A superação dessa tendência é uma importante ferramenta de prevenção, como aprender a respeitar o tempo para se sentir satisfeito e ter prazer a partir de coisas saudáveis. Esse aprendizado poderia potencialmente generalizar para outros aspectos das situações da vida cotidiana, envolvendo escolhas com consequências a longo prazo (por exemplo, educação e vida saudável).


A impulsividade e o abuso de drogas

A impulsividade pode ser descrita como reações rápidas e não planejadas a provocações internas ou externas, com pouca consideração das consequências. A impulsividade muitas vezes se refere a comportamentos problemáticos. Por exemplo, uma pessoa é descrita como impulsiva quando compra repetidamente coisas por impulso sem considerar a capacidade de pagar por ela. A escolha pode ser satisfatória agora, mas potencialmente prejudicial a longo prazo.

A incapacidade de resistir ao impulso é considerada um obstáculo importante para uma estratégia de sucesso mais racional a longo prazo. Todos nós podemos nos relacionar com essa fraqueza. Aqueles de nós que decidiram comer alimentos saudáveis ​​apenas para sucumbir à tentação ao ver uma caixa de bombons. Todos nós nos comportamos impulsivamente em um momento ou outro, mas alguns são muito impulsivos.

O comportamento impulsivo pode ajudar o abuso de drogas, reduzindo o peso dado às suas consequências negativas a longo prazo. O principal problema com a maioria dos comportamentos aditivos é que os custos (consequências adversas) ocorrem no futuro, enquanto os prazeres deles ocorrem no presente. A escolha de consumir uma substância de abuso presumivelmente resulta em uma pressa imediata ou na remoção de sintomas de abstinência.

A impulsividade e a busca rápida por prazeres são geralmente elevadas na adolescência, mas diminuem ao longo da vida. Os jovens pensam menos preocupados com seu futuro bem-estar. Isso explica por que a adolescência e o início da idade adulta são os momentos mais prováveis de  que alguém fique viciado.

Uma característica importante de se desenvolver o uso de drogas  na adolescência é a influência das emoções. Comportamentos e atitudes tendem a ser vistos como menos arriscados do que são realmente são e emocionalmente mais agradáveis. Quanto mais favorável e prazerosa possa ser a sensação de uma escolha, menor o risco associado a ela. Este cálculo muitas vezes é feito de forma inconsciente e encoraja a tomada de decisão do comportamento de risco.

A impulsividade também é influenciada por outros eventos (especialmente quando o comportamento impulsivo não é um traço de personalidade). Isso inclui condições econômicas, expectativa de vida ou a confiabilidade do ambiente local. Sob essas condições, os indivíduos podem aprender que viver pelo momento e desconfiar do futuro é uma estratégia melhor. Essa tendência de aceitar o que está imediatamente disponível pode desempenhar um papel importante na decisão de usar drogas.

Estudos identificaram a personalidade impulsiva como um fator significativo para o desenvolvimento do uso de drogas. Indivíduos altamente impulsivos são mais sensíveis aos efeitos recompensadores das drogas. As sensações prazerosas imediatas liberadas pelo uso das drogas, superam o valor distante de ter dinheiro suficiente para pagar o aluguel no final do mês.

Além disso, o uso repetitivo de drogas contribui para mudanças duradouras na impulsividade. O uso crônico ou agudo de drogas altera a química do cérebro, particularmente nas regiões que formam o sistema de avaliação do cérebro. A intolerância ao atraso faz de seu caminho para a recuperação uma jornada difícil, repleta de boas intenções e frequentes recaídas. 

Em suma, o traço de personalidade da impulsividade torna os indivíduos mais vulneráveis ​​ao uso de substâncias, e que essa característica pode existir antes do uso da substância. Assim, uma autoavaliação e/ou acompanhamento psicológico, podem sobre a impulsividade,  pode ajudar diminuir as chances do uso de drogas.  

Orientar uma pessoa sobre a busca do prazer imediato em relação a tomada de decisões mais voltadas para o futuro é um passo lógico na promoção do autocontrole. Estudos revelaram evidências que demonstraram que as relações entre pais, mães e filhos que incluem o estabelecimento de limites e monitoramento, diminuiu a possibilidade do uso de drogas, no entanto, a medida em que a autonomia pessoal aumenta no ensino médio, as interações não supervisionadas dos jovens com os colegas são influenciadas pelo senso de valor pessoal e de autorrespeito adquiridos a partir das relações passadas.

Dessa forma, o diálogo com a criança e/ou adolescente deve sempre buscar a orientação e informação sobre o uso de drogas e os prejuízos que acontecem a partir disso. O estabelecimento de limites deve ser ainda equilibrado, mas por si só não garante o não uso de drogas, portanto a orientação deve ser sempre a base principal para evitar essa situação.


Confira nossa matéria sobre o guia psicológico de primeiros socorros emocionais e também os 03 passos para ficar bem quando sua vida não vai bem.

Obter ajuda:


Publicado por:
Portal de Psicologia Jovem com Ciência
Psicólogo Ailton Melo  
Portal: jovemcomciencia.com
Redes sociais e currículo:

Referências:


ARGYRIOU, E. et al. Age and impulsive behavior in drug addiction: a review of past research and future directions. Pharmacol Biochem Behav., p. 106-117, 2018.

GREEN, L.; MYERSON, J.; OSTASZEWSKI, P. Discounting of delayed rewards across the life span: age differences in individual discounting functions. Behavioural Processes, v. 46, p. 89–96, 1999.

MADDEN, J. G.; BICKLE, K. W. Impulsivity: The Behavioral and Neurological Science of Discounting. Washington, DC: American Psychological Association, 2010.

MADKOUR, A. S. et al. Parental influences on heavy episodic drinking development in the transition to early adulthood. J Adolesc Health. v. 61, p. 147-154, 2017.

SAPOLSKY, R. M. Behave: biology of humans at our best and worst. New York: Penguin Press, 2017.


SLOVIC, P. et al. The affect heuristic” in T. GILOVICH, D. et al. Heuristics and Biases: The Psychology of Intuitive Judgment. New York: Cambridge University University, 2002. p. 397-420.
As características do comportamento que predizem o vício em drogas na adolescência As características do comportamento que predizem o vício em drogas na adolescência Reviewed by Ailton Melo on abril 18, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.