Parece bom demais para ser verdade? Reconhecendo o som de uma mentira

como reconhecer um mentiroso

Em uma pesquisa com juristas norte americanos, os mesmos disseram ser realmente muito bons no que se refere a identificação de uma mentira. Com seus anos de experiencia, acreditam ter a sensibilidade para identificar uma mentira através da percepção das expressões e emoções que acontecem no tribunal. No entanto, com os resultados, mostraram-se falhas tais percepções no que se refere a percepção da mentira através do esboço das emoções, porém, uma coisa que todos pareciam ter em comum, é a capacidade de detectar a mentira baseada na audição, bem como na observação.


Fala sem Contexto


Você já tentou determinar se alguém estava mentindo para você olhando para baixo ou fechando os olhos e apenas ouvindo as palavras? Ser forçado a se concentrar apenas no som (sem a linguagem corporal) pode ajudar algumas pessoas a determinar a veracidade do que é falado. Algumas pistas sobre a veracidade ou mentira do que é dito, são mais fáceis de serem ouvidas do que vistas claramente.


Familiaridade situacional: quando a audição está concentrada


Segundo estudos, a capacidade de identificar mentiras, aumenta quando nossa sensibilidade é  concentrada mais na audição e nas pistas do que é falado, do que a observação de expressões físicas. Esse processo é intitulado de familiaridade situacional.

A hipótese da familiaridade situacional envolve familiaridade com fatos que cercam uma situação na qual eles estão avaliando a credibilidade. As pessoas em situações familiares tendem a avaliar a credibilidade com base no conteúdo verbal. Em situações desconhecidas, as pessoas podem evitar conteúdo desconhecido e se concentrar mais no comportamento não-verbal para avaliar a credibilidade.

Em um estudo realizado sobre a influência da familiaridade situacional, através de quatro experimentos, descobriu-se que os participantes com alta familiaridade situacional tiveram uma maior taxa de precisão na detecção de mentiras e verdades, em comparação com participantes com baixa familiaridade situacional. O estudo também descobriu que a precisão de identificar a mentira na condição de familiaridade situacional, envolvia o uso de mais dicas de conteúdo verbal e menos pistas não-verbais.

Às vezes, detectar a mentira depende de nossa compreensão da fala de quem esta tentando nos enganar.


A Detecção de Mentira está então na capacidade de ouvir


Como é a mentira? Depende de quem está falando. Um estudo publicado na revista Psychiatry, Psychology and Law, utilizando entrevistas gravadas em fita, descobriu que as pessoas aumentam seu tom vocal, mesmo que sutilmente, quando estão mentindo. Descobriu-se também que esses mentirosos produziram declarações enganosas mais agudas do que quando falaram a verdade. Esses resultados indicam que o equilíbrio vocal é menos suscetível ao controle comportamental e, portanto, pode ser uma ferramenta de identificação da mentira melhor do que a observação independente de comportamentos físicos como o olhar.


Verdade e mentira

Sempre haverá pessoas que acreditam em tudo que ouvem e outras que mantêm uma posição padrão de desconfiança e verificação. O segredo para identificar uma mentira é manter seus olhos e ouvidos abertos. Claro, você pode ver sinais visuais indicando potenciais mentiras, mas garanta que tais observações não levem a conclusões precipitadas. Porque em outros casos, ouvir é acreditar.


Confira também nossa matéria sobre os perigos do egocentrismo e da ignorância e aprenda a lidar quando sua postura é confundida com desrespeito.

Obter ajuda:


Publicado por:

Portal de Psicologia Jovem com Ciência
Psicólogo Ailton Melo  
Portal: jovemcomciencia.com
Redes sociais e currículo:

Referências:

REINHARD, M. A. et. al. Listening, not watching: situational familiarity adn the ability to detect deception. Journal of Personality and Social Psychology, v. 101, n. 3, p. 467-484, 2011.

VILLAR, G. et al. Vocal Pitch production during Lying: beliefs about deception matter. Psychiatry, Psychology and Law, v. 20, n. 1, p. 123-132, 2013.

FELDMAN, G. Frankly we do give a damn: the relationship between profanity and honesty. Social Psychological and Personality Science, p. 1-32, 2016.
http://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/1948550616681055

Parece bom demais para ser verdade? Reconhecendo o som de uma mentira Parece bom demais para ser verdade? Reconhecendo o som de uma mentira Reviewed by Ailton Melo on abril 24, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.