As 3 formas de lidar com 7 feridas emocionais que nunca curam

Existem algumas mágoas que sempre farão parte de você.


Você acorda com sentindo um aperto no coração por conta de problemas familiares e infelizmente, você sente que não consegue lidar com essas questões mesmo tendo feito tudo o que podia para se ajudar. Procurou um profissional de psicologia, começou a fazer terapia, a se exercitar e a ler livros de livros de autoajuda. E, no entanto, essa dor emocional e pulsante raramente o deixa. Mesmo que você o esqueça por breves momentos, ele retorna logo depois, como um lembrete angustiante de que nada mudou realmente. 

Promessas vazias e otimismo imprudente

Pessoas que vivenciam essas dores que não cicatrizam, raramente falam abertamente sobre elas e, quando o fazem, as negam frequentemente. Em nossa sociedade atual focada na solução, essas dores emocionais são empurradas para as sombras e "ignoradas" ou tratadas com chavões vazios como:


  1. "Tudo acontece por uma razão."
  2. "Olhe pelo lado bom."
  3. “Amanhã é um dia melhor.”

Nesse contexto, essas falas vazias só servem para aprofundar a dor e criar desespero, por banalizar essas dores emocionais e não as vivenciá-las de forma reflexiva e saudável. (Veja como ficar bem quando sua vida não vai bem)


Nem todas as feridas curam

A realidade é esta: algumas feridas emocionais sempre farão parte de você. E embora estas não tenham que definir quem você é, elas sempre permanecerão como um lembrete diário dos desafios imprevistos que podem surgir em seu caminho. 


Mas antes de examinarmos como lidar com isso, vamos considerar as sete feridas emocionais mais comuns que não cicatrizam.


1. Morte de um ente querido: A perda de um cônjuge, pai ou filho querido é talvez a dor mais profunda que alguém pode sentir. Quando as pessoas que você ama são acabam morrendo, você luta para continuar seguindo em frente. Tem dias que você tem o desejo de ligar para essas pessoas, falar ou compartilhar algo com elas - e então você é lembrado de que elas se foram, deixando um espaço em seu coração que pode nunca mias ser preenchido.

2. Doença mental: Um de meus pacientes recentemente se lembrou do momento em que percebeu que seu irmão tinha esquizofrenia, dizendo: “Quando o médico me contou, eu não queria acreditar que ele estava realmente doente”. Embora existam muitos tratamentos bem-sucedidos para doenças mentais crônicas, os pacientes geralmente se recusam a cooperar, eles podem abandonar a terapia, parar de tomar remédios ou depender de seus pais ou entes queridos para todo tipo de cuidado, mesmo do mais simples ao mais avançado caso. 

3. Vício: O vício é uma aflição particularmente cruel porque a pessoa que você ama ainda está lá, mas não é mais ela mesma. Para piorar as coisas, os viciados podem se tornar hábeis em mentir e explorar aqueles que os amam. Infelizmente, a esperança dura pouco, pois eles tendem a ter recaídas repetidas vezes. Testemunhar alguém que você ama cair no vício é uma dor verdadeiramente de partir o coração. 

4. Doença crônica: Quando o médico lhe fala sobre sua doença, você se recusa a acreditar. “Não é possível”, você pensa. Não importa quantas vezes você pergunte: "Por quê?" você não consegue encontrar uma resposta. Portanto, você tenta seguir em frente enquanto luta contra o medo de que sua condição piore. Pela primeira vez, sua vida tem uma data de validade.

5. Traição: A traição de alguém próximo a você corta fundo. Você tem dificuldade em confiar nos outros e os afasta porque não quer se machucar novamente. Você pode escolher se isolar ou se afastar do mundo, convencendo-se de que é melhor ficar sozinho. A traição não só o faz duvidar dos outros; faz você duvidar de si mesmo também.

6. Lesão Permanente: Você tem que reaprender como se mover pelo mundo. Tarefas diárias que antes eram simples agora exigem um grande esforço. As pessoas olham para você com tristeza ou pena, o que faz você se sentir patético e pequeno. Você deseja que sua lesão desapareça, mas é forçado a conviver com ele.

7. Trauma: O trauma deixa uma marca que perdura e pode mudar o curso de sua vida. Pode prejudicar sua capacidade de se sentir seguro, confiar nos outros ou mover-se pelo mundo sem medo. Quando o trauma é ativado, o tempo e o espaço param, e você se vê preso no sentimento de terror que ocorreu no momento em que o trauma ocorreu. Esse terror pode viver silenciosamente dentro de você ou dominá-lo a qualquer momento.


Como lidar com essas e outras feridas emocionais?

As feridas que não cicatrizam não precisam definir você. Na verdade, quando bem administrados, servem para aprofundar sua humanidade e promover uma maior empatia e conexão com os outros. As dores podem lembrá-lo de que a vida é frágil, mas também podem lembrá-lo de que a vida é preciosa: muitos pacientes relataram que essas dores os inspiraram a viver o momento e a valorizar mais a vida.


Ninguém está isento de feridas que não podem ser curadas. Eventualmente, eles aparecem na vida de todas as pessoas e não importa como elas se apresentam nas redes sociais, todo mundo eventualmente enfrenta feridas emocionais que não vão curar. As chances são de que eles não estejam postando sobre seus sofrimentos e angústias, o que cria uma visão de uma vida perfeita e que completamente não existe! 


3 maneiras de lidar com as dores emocionais


1. Transforme sua dor em uma missão: Já testemunhei muitos pacientes canalizarem sua mágoa para um profundo senso de missão. Por exemplo, um amigo que sobreviveu ao estágio quatro do câncer encontrou um novo significado na vida quando começou a trabalhar como voluntário em hospitais e aconselhar famílias e pacientes com câncer. “Se posso oferecer-lhes alguma esperança, me sinto importante e valioso.” Uma mulher que foi abusada sexualmente se ofereceu como voluntária para ajudar para mulheres em crise, vitimais de violência sexual, doméstica e psicológica. Embora no início ela tenha se sentido insegura, logo achou isso fortalecedor: “Eu descobri que ajudar os outros não apenas desencadeia a cura neles, mas desencadeia a cura em mim também ”.  

2. Compartilhe sua dor: O isolamento é o inimigo da cura, portanto, converse com outras pessoas de sua confiança, especialmente aquelas que passaram por experiências semelhantes. Um grupo de apoio ou terapia de grupo é uma maneira maravilhosa e segura de abrir o coração e permitir que os outros se aproximem de você. A psicoterapia, a autorreflexão e a meditação também o ajudarão a encontrar o significado das vivências dessa dor.

3. Continue crescendo: Lamentar sua dor é importante e necessário, mas isso não pode dominar sua vida. Reconheça isso e siga em frente, apesar do que você está sentindo. Seja um bom cuidador para si mesmo, praticando o autocuidado e expandindo suas experiências criativas e sociais. Embora a mágoa possa nunca ir embora, você pode diminuir sua intensidade ao honrá-la, abraçá-la e seguir em frente com sua vida.

Confira também os passos para aprender a desenvolver autoestima e autoconfiança e as 8 dicas para acordar bem e se sentir motivado na vida.

Obter ajuda:


Publicado por:

Portal de Psicologia Jovem com Ciência
Psicólogo Ailton Melo  
Portal: jovemcomciencia.com
Redes sociais e currículo:


Referências:

HOLM, Anne Lise; SEVERINSSON, Elisabeth. The emotional pain and distress of borderline personality disorder: A review of the literature. International Journal of Mental Health Nursing, v. 17, n. 1, p. 27-35, 2008.

TIMULAK, Ladislav. Transforming emotional pain in psychotherapy: An emotion-focused approach. Routledge, 2015.



As 3 formas de lidar com 7 feridas emocionais que nunca curam As 3 formas de lidar com 7 feridas emocionais que nunca curam Reviewed by Ailton Melo on outubro 21, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.